sábado, 10 de novembro de 2012

                                                                                                      Preciosa
O elevador parecia nunca chegar. Ir de escada? Nem pensar! Indagava-se a jovem aflita.
No corredor parada em frente á porta, a campainha toca.
Entre! Ele diz. Suspiros...
Pensou ser outra pessoa?
Não, nada disso!
Tocando minha coxa, enrubesci ao imaginar o que desconhecia em mim.
Loucuras em facetas. Pernas abertas como de uma presa.
Agrados em cortesia...
Sim, te quero, você é meu sucesso!
A língua sai da boca, deslizando no pescoço, total alvoroço.
Tem de ser agora, desvarios de anseios.
A mola da cama dá sua ultima nota.
Final da sinfonia.
A grana esta sobre a escrivaninha.
Ela pega.
Mais uma noite finda.
Ganha à noite. Bom dia!
Sandra Freitas
São Paulo, 10 de Novembro de 2012.
                                                                              .                                                                                 .

Nenhum comentário:

Postar um comentário