quinta-feira, 1 de novembro de 2012





“SORRISO DE NARCISA”
UM ROTEIRO DE
SANDRA DE FREITAS






 INT.SALA DE AULA.NOITE

SOFIA(30) estava sentada com o texto em mãos vendo todas as observações que constava. Odiou ver seu trabalho todo rabiscado. Olhou para seu professor e escreveu: “Pessoas extremamente exigentes tem muito a nos ensinar”.

PAUSA

INT.COZINHA.DIA

Sofia anda pela cozinha com uma xicara de café, precisa tomar uma decisão, qual gênero escolheria para seu próximo texto? Ela liga o computador e começa a escrever.

(EXT.QUINTAL.DIA)

Miss Tic vai até o quintal, olha para o céu e vê nuvens escuras, olha novamente e vê que não é uma nuvem e sim uma legião de pássaros com aspectos horripilantes, que se aproxima do vilarejo onde mora.

MISS TIC(25)
                  E agora o que será de nós?

SOFIA
                  Caramba! Ainda não esta bom
                  o texto. Entre os seis a meus dez
                  anos, eu tinha sonhos digno de um
                  roteiro, tenho que conseguir passar
                  isso para o papel.

Sofia tem o seu maior desafio, escrever e escrever para ser publicada. E disso ela não abria mão, pois embora tardio ter manifestado esse dom nela, ela sabia que conseguia transpor para o papel um best seller.

SOFIA
Já sei sobre o que vou escrever!

Há vários carros pretos perseguindo Miss Tic. Ela se desvia de um cachorro e olha para seu protegido no banco ao lado. Os carros estão em alta velocidade, o lugar onde percorrem é um vilarejo. Miss Tic não encontra saída. Seu protegido aponta uma rua e ela segue, pois os carros que a seguem começam a atirar e uma das balas estoura o vidro traseiro. Para se desviar ela sobe na calçada e bate numa barraca de frutas, os transeuntes tentam se proteger. Miss Tic sai da calçada e segue em rumo subindo a ladeira.
Até esse momento ela não sabe quem é esse homem que esta carregando, nem mesmo consegue ver seu rosto.
Com o tumulto que ocorreu após a batida na barraca, ela ganhou algum tempo e seus perseguidores ficam para trás. Chegando ao topo descobre que não há saída. Pede para o homem descer do carro e seguem até a ponta do penhasco. Ele fala alguma coisa para ela, quando ela vai olhar para sua face o barulho de motores aumentam... Eles estão se aproximando. Puxa o homem pelo braço. Os dois voltam para o carro, ela liga o motor, dá marcha ré, olha pelo retrovisor, os carros estão se aproximando. Dá um cavalo de pau, a poeira toma conta do lugar. Agora de frente com os carros, acelera e desce ladeira abaixo batendo em todos, os vidros sendo estilhaçados pelas balas, agora ela não tinha mais medo de perder, pois o que ela procurava havia encontrado... Ser.

SOFIA
               Perfeito! Agora é só formatar e enviar.


INT.AUDITÓRIO.NOITE (MINISTRANDO AULA DE ESCRITA)

SOFIA
               Então pessoal, foi quando coloquei
               no papel tudo aquilo que vivenciei
               na infância que  meu livro saiu e ai
               ganhei meu primeiro prêmio Jabuti.
               Agradeço muito ao meu professor por
               ter rabiscado, riscado o que havia
               escrito. 

UM ALUNO
Li seu livro e ficou uma dúvida
              Quem é o homem, seu protegido?

SOFIA (SORRINDO)
Isso já é uma outra história.



Nenhum comentário:

Postar um comentário