sábado, 3 de novembro de 2012



Trifobia

A invisibilidade  afagou o acaso.
Sentimento profano contaminavam os surdos nativos do outro lado do muro.
Premissas retundantes esplanavam imigrantes.
A música parou.
O ar secou.
A flor murchou.
E o enredo não se classificou.


Prosa em verso a quatro
Rimas perdidas numa tarde fria
Eutanásia sorrateira proclamava sua sujeira: Te quero por inteira!
Olhando no espelho, um vasto mundo de medo.


Ah, azedume miserável, sem nexo, o que queres de mim?
Basta! Pensas que me tens em tua mão?
Pois bem! Sairei e andarei na contramão.
E retornando sem um único estrago,
Dar-me-a a chave pra que eu trancafie a combustão.


“Cego estava o acaso. No seu descuido fui erguida ao alto e ansiei novos obstáculos”


Sandra Freitas
São Paulo, 04 de Novembro de 2012.

Nenhum comentário:

Postar um comentário