quarta-feira, 21 de maio de 2014

Redes sociais e as manifestações

Sociólogos afirmam que sem redes sociais não haveriam manifestações


Deveras, as redes sociais ajudou muito a despertar
a gigantesca revolta contida em cada cidadão
lembrando do dia em que precisou do estado
nos direitos adquiridos pela constituição
e não alcançou e indignados com as  picaretagens
dos políticos noticiadas em rede nacional.
Por Sandra Frietha



Posts como os de lamentações e “auto promoção”, deixaram de ser sua única utilização. As pessoas estão conhecendo aos poucos novas formas de se comunicarem e usar essa ferramenta  para exigir mudanças em beneficio de todos. Incomodados estávamos, mas foi com a ajuda das redes sociais  e o auxilio do Estado (PMs utilizando de repressão violenta e desproporcional com manifestantes e jornalistas e uma Mídia manipuladora e mentirosa que  a página “Criar Eventos”  do Facebook tem sido excessivamente acessada.
Para muitos as manifestações tem servido para  quebra de tabus e  rupturas, já para os conformados e acomodados uma bagunça.
Se certo ou errado a forma que vem sido desenrolados os atos, só saberemos lá na frente. Muitos reclamam da violência e quebradeira nos patrimônios privados, torcendo o nariz aos manifestantes, mas se esquecem dos prejuízos a nós causados com juros abusivos que essas instituições vem nos lesado.
A única certeza que tenho é que o sistema politico no Brasil precisa urgentemente mudar e não vejo outra forma senão a de pessoas saindo as ruas bradando por uma nova conjuntura, uma eficaz  restruturação que miniminize o analfabetismo social, tirando pessoas de suas salas de casa e levando-as de fato para as salas de aula, única forma de erradicar na sociedade diversos males.


São Miguel Paulista
Estudantes marcam presença contra o aumento da passagem
Conversei com Marvim Procópio, estudante de 15 anos, morador da Vila Curuça,  idealizador e um dos organizadores da marcha em São Miguel Paulista. Teve apoio nessa empreitada dos amigos Nickolas Souza, Thaina Teofilo, Guilherme Carini e Victor Shaara todos estudantes, entre seus 15 e 16 anos. O evento foi criado e a marcha estava programada para o dia 19/06 as 14:45 na Praça do Forró em São Miguel Paulista.


Foto 1- Marvin Procópio Foto 2- Tiago Santana


SFrietha: Marvin, o que levou vocês a criarem esse evento?
Marvim Procópio: Bom, eu e meus amigos estávamos pensando em fazer uma manifestação em São Miguel Paulista, num horário que os estudantes e os jovens pudessem ir. Muitos jovens queriam participar das manifestações que ocorreram no centro, queríamos muito estar lá, só que geralmente acontecem muito tarde e longe.
SFrietha: Responda, como foi a manifestação?
Marvim Procópio: Foi perfeita, tivemos apoio da policia, estavam todos muito animados e revoltados com a politica do Brasil. Tivemos apoio das pessoas nos prédios balançando bandeiras do Brasil, bandeiras brancas. Foi muito bom! Pena que não pude ficar até muito tarde, precisei ir embora e eles seguiram sentindo rodovia Airton Senna, isso já eram umas 18:00h.
SFrietha: Quantas pessoas compareceram e a marcha seguiu até que horas?
Marvim Procópio: Aproximadamente umas 600 pessoas e teve seu fim lá pelas 20:00h
SFrietha: Qual a mensagem que você deixa aos jovens de sua geração?
Marvim Procópio: Quero dizer que se nos unirmos não tem muralha que nós não conseguimos quebrar! Que nossas VOZES juntas pode mudar o mundo  #VAIPRARUA!







Texto escrito em 23/07/2013







Nenhum comentário:

Postar um comentário