domingo, 14 de setembro de 2014

O Peso da Normalidade








Sou um caso esquecido
Um mínimo
Vastidão sem forma em um sopro temerário
Sou um anormal em ziguezague que do trilho falante em abobadas discrepâncias
absorve  um copo de leite, puro nata
Sou verme posto em paredes gordurosas

sob delitos medíocres que esnoba indefesas garras









Nenhum comentário:

Postar um comentário