quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013



Revirança


A casa bagunçada.
Os sapatos o par certo erra o pé.
A mesa ofusca a certeza dos dias de festejos.

Licérgica e soturna  tento encontrar uma agulha.
Parâmetros de antes por aqui não há mais.
Viciante e orgânica a louça na pia transborda a sorte de mutantes,
Seres parasitas que outrora sobrevoavam a banana.

No quarto a cama encontra a beleza fria de um corpo agonizando.
Lutas armadas, guerrilhas da alma.
Um mundo novo se apresenta, minha pequinês a rejeita.
Deitar, dormir, acordando, me levanto.
Explicito desejo, guardo uma lembrança...
Na ânsia de viver meus últimos anos.


Sandra Frietha
São Paulo, 07 de Fevereiro de 2013.

Nenhum comentário:

Postar um comentário