segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Abstemia






É só Reparar nos detalhes dos frascos
Vejo rastros,
Frações mínimas minha, por ai,
Todos os dias.
E o braço  estendido, nunca viu,
Insistindo,
Repelindo a fatídica medicação.
Ou seria o oposto,
Alvo
Misero afoito.
Antes resposta, fora falta de uma dose
Amiga sinistra,
Finda distinta,
Toda sujeira
Aliando inimigos pelo mesmo feito

O melhor a ser feito é partir em retirada
Diria
Possível saída
Amiga sinistra, sempre a espreita.
Nos corredores
Entre leitos,  o corpo moribundo sorria
De um outro lado do muro
Não obstante,
Haveria verdade nisso







Um comentário:

  1. Comentário postado no site Recanto das Letras

    18/02/2015 01:34 - Lucas Mirati
    Interessante! Abstinência, força. Eu gostei de sua poesia. Abraço.

    18/02/2015 00:58 - poeta José
    Caramba...IntensaaA mesma...Mandas tu no amago...Como num grito de socorro...

    18/02/2015 00:49 - Franklin Lira
    Como disse o poeta: a poesia não é para ser lida e sim, sentida em toda sua plenitude. De extrema sensibilidade poética! Parabéns!!

    ResponderExcluir