quinta-feira, 6 de dezembro de 2012


Historeta

De  bUtodEBuTo

Do ponto obtuso a luxuria entrava em cena.
Corpos degustando sentidos desgastavam energias em partes pudicas acumuladas há tempos.

O que é que você tem?  Sorria? (Noite quente, Dezembro)
Dizia Moacir (21 anos) sem entender o que ocorria com a jovem menina.

Já não sou mais aquela garota que na saída mamãe  se despedira (céu nublado, tarde)
 pensando ela que eu iria á casa de uma amiga.

Relaxa Belinha (17 anos) isso uma hora iria acontecer e a hora foi essa, desestressa! Dizia o jovem faminto.

Não estou arrependida, mas como tantas  donzelas tive o sonho de me guardar até o altar.

Entendo querida. O que você quer fazer? Deseja ir embora?
Não continuemos nossa lida.

O Cabelo comprido era sua armadilha. Mãos percorriam sedentas a pleno pelo o corpo inteiro.
Movimentos em desespero, um deus nos acuda.
Por baixo, por cima, de quatro, em sinuca.

Ponto de explosão. Erupção sacia mente sem culpa.
Fim da refeição.
Não é por acaso que a quatro paredes, o quarto faz recordar uma latrina. Confidenciam a eliminação de nossas porcarias.

Lembrete;
Ao final dê descarga e não se esqueça de lavar as mãos em água fria


Sandra Freitas
São Paulo, 06 de Dezembro de 2012.


Nenhum comentário:

Postar um comentário