sábado, 13 de julho de 2013

Jacinto Pressão

Jacinto tua respiração?
descompassada me preocupou.
você está tendo um ataque do coração?
Pensa a mulher aflita...
Seria a hora propicia
Pra dizer que Maria Alice não é sua filha?
No cangote da menina neste ônibus lotado ele deve estar incomodado.
Mas dona Maria Rita segura-lhe a mão.
Ela sente a mão dele com um suor frio e se preocupa ainda mais.
Dª Maria Rita vê que ele está ficando pálido, vira para ela e diz:
- Eu preciso confessar algo...
  Que foi? Que foi? Está tudo bem? Você está estranho.
Ele:
- Acho que me caguei todo...
Ela:
- A Maria Alice não é sua filha, é filha do compadre Tião.
Ele:
- O QUÊ?
Ela:
- Sim, eu me entreguei a ele numa noite de paixão e volúpia, fizemos sexo na sala, no quarto, na laje... suamos feito dois bichos enquanto você viajava para ver sua amantezinha em Airuioca.
Ele:
- O QUÊ?
Dª Maria Rita após jogar na cara do mardito o adultério e o que ocasionou de uma noite de delírios, noite essa que vez ou outra se recorda, suspirando em suor. Desce no primeiro ponto deixando o Jacinto, todo cagado, no ônibus lotado.
Ele:
Mas que desgraçada essa descarada, desavergonhada, safada!
Aproveitou eu cagado pra me jogar na cara tal ato


Bem que Dª Maria Rita queria que tivesse sido assim, mas o que ocorreu foi o que vocês irão ler

Ela:
Jacinto, tua respiração?
Descompassada me preocupou,
Você está tendo um ataque do coração?

Ela pensa...
Seria a hora propicia
Pra dizer que Maria Alice não é sua filha?
No cangote da menina neste ônibus lotado deve estar incomodado
Mas dona Maria Rita segura-lhe a mão
Ela sente a mão dele com um suor frio e se preocupa ainda mais
Afinal era preciso se preocupar com a feira, se não ele,
Quem iria pagar o também Joaquim da pensão?
E começa a resmungar, vendo o homem a vascilar
E todo aquele cheiro de merda exalar
Foi um deus nos acuda, que chegou a assombrar um bebê no colo de sua mãe
Dado início a gritaria e amontoados de expressões
Uma auxiliar de enfermagem empunhando aparelho em mãos
Aparece no meio da aglomeração...

Posso medir a pressão?





Sandra Frietha e Ricardo Rios

Nenhum comentário:

Postar um comentário