segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Noite, Uma declaração de Amor









Ah, noite! Que me encanta e fascina
Sozinha ou nas rodas de amigos,
Acompanhada sempre do liquido tido etílico
Noite
Da palavra perdida
Dos notívagos sem juízo
Do galante sussurro ao pé do ouvido
Á bandas preferidas
Ela, sim, a noite, me transporta ao universo avesso a dos aflitos
Põe fim aos conflitos
Exalta o mais miserável em proporções do espirito
Recarrega minha fome de vida
Mostrando-me que no ponto obscuro do muro, o rascunho há sentimentos ocultos
Noite
Dos desafetos serem reprimidos
Diz-se das trevas
Aqueles que andam com a gaiola em tarjas pretas comprimidas
Envolve-me
Seduz-me
Em suplícios de misericórdia
Te quero comigo!
Deixe-me sentir por mais um pouco o gosto  
O teu gosto
De tua brisa que envolve meu corpo
Absorve o suor de meu rosto
De cara larga escancaro em brados sorrisos
Ah! Noite
Esqueçamos a despedida







Nenhum comentário:

Postar um comentário