quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Doce






Não havia dúvidas, também já era sem tempo. Do corpo, retirará a mácula.
O dia mal começa e como num torpedo, anuncia a maldita ressaca. Pensei que me desintegraria, ah! Essa claridade que vem confundir minhas vistas, como gatuno quer me cegar. Olho em volta ao alto. Há uma promessa a céu aberto, "sauna coletiva" é grátis, quer se banhar? Com um sorriso no canto da boca, faço força para o que me é lembrança, venha desanuviar o estado lastimável que me encontro indo trabalhar.

Estou próxima a esquina da rua onde moro. procuro refúgio do sol, que penetrando minha pele, tenho a sensação de que vou evaporar. Dizem que no período matutino, nos igualamos aos anjos. Pensamentos claros, límpidos. Tenho minhas ressalvas, diante a ressaca de uma noite infinda. O sol esta de "rachar o coco", o ramo imobiliário tem seu ápice, "melhor concreto a florestas". E, eu aqui, largada diante essa caldeira. É um pesadelo, só pode ser. Ainda não acordei. Nessa angustia da transição da noite para o dia, lembro de um belo jogador a quem me deparei. Diz-se valente, quem não tem medo de se arriscar. Talvez desconheça o poder por trás de sua gentileza, sei lá! A conquista do mundo é destinada para quem não sabe administrar. Essa frase fez sentindo ao ver homens duelar. Por hora permaneço no ponto, aguardando o ônibus.








Um comentário:


  1. Comentário postado no site Recanto das Letras

    13/10/2014 19:52 - jey lima valadares
    BELO PENSAMENTO, BJO LINDA NO CORAÇÃO!

    11/10/2014 20:13 - Cândido Paulo Domingues
    Parabéns pelo pensamento. Abraço.

    ResponderExcluir