sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Egotrip







"Sempre tudo igual
todo dia!"
Não era isso que sustentava o sopro que forçosamente expelia por entre as narinas, a rotina.
As favas todo peso morto!
De certo, acumularia desafetos (...)
Para uma mente libertina,
sabia que o prêmio seria garantia.
Situações corriqueiras, eliminou.
Transfigurava em fantasmas,
a ancora,
variações e desatinos.
Opção tardia

E ela no mar mergulhou.







Nenhum comentário:

Postar um comentário