segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Dia de ser feliz







Moro longe, longe, longe demais do que gosto e de lugares que tenho vontade de frequentar mais (a periferia sofre com a falta de acesso a cultura). Por aqui ao menos a chama mantemos viva, ou tenta-se. Passam se os anos e como num ato de bravura, próximo ao que se pratica no principiar aos jogos olímpicos, estamos atentos para manter o interesse a cultura acesa. Hoje em particular tem sarau dos Umbigos, amanhã também na Casa amarela. Daí, você me diria: sarau, peças, exposições, eventos há todo dia! Tá certo! Há mesmo, porém tempo e espaço, falo referente a percurso, grana pra beber, se alimentar, não comportam as obrigações de todo mês. Difícil, mas nada impossível para um espirito aventureiro e que não abre mão de seu direito.

Hoje amanheceu borbulhando, tá quente por aqui. No vizinho o som tá pra quem quiser ouvir e a churrasqueira deixando de ser inútil, esta vibrando. Eu tô no tanque, prefiro, como moro numa casa, não vejo tanta utilidade em usar máquina (gasta um horror de água). Neste exato momento começa a rolar uma música tipo “Calypso” ou “arrocha” rs, sei lá! Acordei alegrinha, talvez tenha sido a cerveja de ontem, manterei o som numa altura harmoniosa, deixando os vizinhos serem felizes. Afinal, a alegria, ela é cara, os sinistros estão a espreita. cuidado! Divirta-se antes que seja tarde. De tudo o que é improvável, uma certeza tenho, hoje o dia terminará numa busca frenética por chocolate (glicose). Bora cuidar da vida. Ela urge.










Nenhum comentário:

Postar um comentário