terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Passional







Caminhava entre tantos devaneios. Também pudera, tudo o que era certeza havia se corrompido. Certos gracejos a faz observar a sua volta. Notou algo estranho nos olhares dos que a surpreendia. Eram bombardeios de lisonjas em desejos que não podiam ser contidos. Ao compreender  o que ocorrera,  vil e  faceira sorri.


Atravessou a rua. Um vento calmo e um tanto malicioso ameaça:  “sua saia irá subir”. Ela fingindo, como quem diz: “isso não é comigo”, cobre a aposta, permitindo-se a  extravagancia. Por um segundo,  de um berro no sinal, a incredulidade de quem vendia o jornal, tudo,  o que havia de mais intimo fora explicito.












Nenhum comentário:

Postar um comentário