domingo, 23 de dezembro de 2012

Explosão atômica do umbigo a coxa á zombaria e desespero



Era velho barrigudo e frustrado, coitado! Vendo a moça na salinha aguardando por mais uma  companhia.
Nos bolsos vasculhava e o que encontrava não chegava a terça parte de naquele dia fazer uma boa feira .
Lembrou-se de todos os dias, daquela que ao seu lado dormia sem nenhum apego. Já era certo que depois de tanto tempo aquela que escolheu havia sido apenas por companhia e não por amor á primeira vista e também por medo seu de viver a plenitude de uma vida sem saber onde daria.
Coitado!  Expressão sentida do fracasso.
Mas a moça estava ali a esperar, ele se aproxima, ela pergunta: Tem todo o valor em mãos?
Ele diz que não. Ela como uma serpente dá um riso e diz a ele: um passo a frente, pois há outro que pode pagar seu velhote!  Próstata vazia, broxa e idiota!
Meia sem dente.
 Pé, chulé.
 Uma vida perdida em nome da covardia, frustação continua. Coisas dessa vida.




Sandra Frietha
São Paulo, 23 de Dezembro de 2012.



Nenhum comentário:

Postar um comentário